Coaching-Evitando gastos desnecessários

Quantos não são os excelentes profissionais que, por algum problema de atitude já foram substituídos?

Quantas não são as empresas que contratam pessoas por suas habilidades técnicas e as desligam por questões de atitude?

Quanto dinheiro se gasta com recrutamento, seleção, contratação, integração, treinamento, formação e desenvolvimento de programas de retenção de profissionais para posições importantes das empresas e, quanto dinheiro se gasta com o desligamento dos mesmos por não se adaptarem ao perfil da empresa, ou dos pares, ou dos negócios, ou da equipe, ou por, algumas vezes, cometerem alguns deslizes, do ponto de vista dos gestores daquele negócio?

Quanto dinheiro se gasta com a perda do conhecimento adquirido, da experiência acumulada, do relacionamento estabelecido, quando se precisa desligar alguém que não está agindo conforme o esperado, para aquele momento?

Quanto dinheiro se gasta com o recrutamento, a seleção, contratação, integração, treinamento, formação e desenvolvimento de programas de retenção de profissionais que substituam aqueles que foram desligados?

E, finalmente, quanto dinheiro se gasta com a substituição daquele que substituiu o anterior por motivos similares aos que levaram a empresa a substituí-lo?

Acreditamos nas pessoas e na capacidade que têm de se superar, evoluir, crescer, mudar desde que, tenham o apoio necessário e adequado e, acreditamos que as empresas não precisam gastar a fortuna que gastam, substituindo um bom profissional por questões comportamentais, se investirem no fortalecimento pessoal e profissional do mesmo.

Através de programas de coaching é possível conduzir profissionais que precisam avançar de um ponto a outro, em curto espaço de tempo, porque, estabelecido o objetivo do programa, trabalha-se de modo focado e direto, conduzindo o profissional à reflexão, análise, revisão e ajuste daquilo que necessita ser ajustado.

Temos certeza que quando as empresas perceberem quanto dinheiro estão jogando fora com a substituição de bons profissionais, apenas porque estão apresentando algum problema comum de comportamento, e que, com muito menos gasto, podem mantê-lo no quadro e produzindo ainda mais e melhor, vão repensar as próprias atitudes.

Como já disse em artigo anterior, o coaching é um convite à mudança, a ser mudado, a pensar diferente, a revisar e revisitar nossos modelos; do mesmo modo, precisam as empresas, revisar e revisitar seus próprios modelos, para mudar, evoluir, crescer, melhorar; e o Coach colabora com as pessoas, equipes, empresas para que tenham mais clareza em relação aos próprios objetivos e aos da organização, levando-os a percorrer o caminho entre A e B muito mais rápida e eficazmente.

Por  Áurea Grigoletti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>